Tostes confirma que Flamengo terá receita maior que em 2019

Mesmo com toda dificuldade por conta da pandemia, principalmente pela falta de público e queda de Sócio-torcedor, o Flamengo superou a expectativa com faturamento de 2021.

De acordo com os últimos balanços divulgados pelo clube, o Rubro-negro conseguiu diminuir sua dívida, obteve recorde de receita e mira faturar 1 bilhão de reais.

Contribuíram para esse resultado o dinheiro recebido neste ano de cotas de TV do Campeonato Brasileiro de 2020, novas receitas vindas de patrocínio e outras parcerias, além da venda de alguns atletas, como Gérson e Rodrigo Muniz.

O faturamento do Flamengo deste ano deve bater em torno de R$ 980 milhões, com possível superávit de R$ 137 milhões. Caso avance às finais da Libertadores e Copa do Brasil, o valor pode chegar no tão esperado R$ 1 bilhão.

Em entrevista ao GE, Rodrigo Tostes, Vice Presidente de de Finanças do Fla, afirmou que a receita de 2021 já é maior que a de 2019, quando o rubro-negro recebeu boas premiações pelos títulos do Brasileirão e Libertadores.

– A receita será maior do que em 2019, ano em que ganhamos tudo. E não batemos no teto. O esforço que fizemos na pandemia mostra o potencial que o clube tem. Como fizemos? Com gestão. A pandemia desencadeou um enorme trabalho de equipe, controle de custos e aumento de receita. É um resultado digno de se comemorar, mas temos que seguir alertas e trabalhando duro. Temos projetos para aumentar significativamente, não estamos satisfeitos

Libertadores
Flamengo conquistou a Libertadores em 2019 – Alexandre Vidal / CRF

LEIA MAIS:
Flamengo contrata promessa colombiana do Independiente Medellín
Projeto, desafios e mais: David Luiz explica escolha pelo Flamengo
Saiba até quando vai o contrato de todos os jogadores do Flamengo

O Vice financeiro também explicou como o Flamengo conseguiu obter algumas receitas para suprir a ausência de público no estádio e queda do Sócio-torcedor.

– Marketing teve receita 80% maior do que 2019 e o clube tem projetos para aumentar o faturamento, como o banco digital, FlaTV+ e a internacionalização da marca (…). Compensamos uma perda de cerca de R$ 120 milhões em bilheteria, sócio-torcedor e estádio com várias outras ações, sejam elas de inovação, marketing ou esportivo. Compensamos e passamos desse valor com essa gestão de custos e aumento de receita (…). Nós estamos com um endividamento menor do que o de 2019, mesmo com os dois anos de pandemia. Em 2019 era de R$ 338 milhões, em 2020, R$ 440 milhões, e agora vamos ficar em R$ 335 milhões (…) – disse Tostes que também explicou algumas das novas receitas obtidas pelo Fla:

– O Flamengo passou a assumir riscos. O Carioca foi um ótimo exemplo. Decidimos criar a plataforma de streaming para vender aos nossos clientes. Corremos riscos e encaramos com seriedade. Conseguimos entregar uma receita que não estava prevista. O desempenho esportivo também superou. Teve a receita do Brasileiro (terminou em 2021), da Supercopa, liga de basquete… Vendas geram R$ 100 milhões além da meta. Clube gasta 181 milhões de investimento em atletas (Pedro, Gabigol…). Em um ano de pandemia, sem bilheteria e com queda de sócio-torcedor, mantivemos performance esportiva e conseguimos aumentar receita, diminuímos dívida e aumentamos investimento. Com foi feito? Com trabalho em conjunto. Jurídico, futebol, financeiro, marketing… O processo de gestão de custos. Seguramos para não gastar o que não era essencial. No futebol, tivemos de venda bruta (sem descontar a comissão de empresários, por exemplo) um valor de R$ 100 milhões a mais do que o orçamento previa.

Tostes também falou como esse cenário ajudou em novas contratações, como do zagueiro David Luiz.

– A chegada do David Luiz tem a ver com uma percepção de um horizonte mais seguro no futuro. As receitas que potencializamos nos dão um ambiente mais tranquilo, porque elas são recorrentes (contínuas).

David Luiz Flamengo
David Luiz – Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

O Vice de Finanças garantiu que a diretoria não ficará satisfeita apenas em atingir a marca de R$ 1 bilhão. A intenção é seguir aumentando as receitas.

– Não vamos ficar satisfeitos quando chegarmos a R$ 1 bilhão, queremos muito mais ainda. Por isso temos os projetos do banco digital, FlaTV+, internacionalização, que nos dá a chance de receita em moeda forte, e edital do Maracanã, que também vemos como um potencial enorme de receita.

Quer ficar sempre informado sobre as últimas notícias do Flamengo? Siga o #Rubro-Negro em nossas redes sociais: TwitterFacebook, e também no Instagram. Ah, e não se esqueça de se inscrever nas notificações. Para isso, basta clicar no sininho logo abaixo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

O Hashtag Rubro-Negro usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Leia Mais