Base, críticas e mais: Ceni comenta sobre diversos assuntos do Flamengo

Treinador do Flamengo fez um balanço sobre vários temas da temporada 2020

Durante a entrevista de Rogério Ceni ao canal esportivo de Mauro Cezar Pereira no programa “Dividida” pelo Youtube, alguns pontos relevantes e, até certo ponto, polêmicos foram levantados pelo atual técnico do Flamengo.

Dentre os pontos principais, Ceni exaltou o trabalho de Leo Pereira dentro do Flamengo, a não aceitação de responsabilidade nas eliminações Copa do Brasil e na Libertadores, além de outros temas como os garotos da base e até comparações com o trabalho de Jorge Jesus.

Confira o que de mais importante disse Rogério Ceni:

Sobre seu trabalho no Flamengo

– É sempre imputado a mm uma eliminação da Copa do Brasil e eu acho um pouco injusto. Eu poderia muito bem, como eu já vi muitos casos de treinadores que chegam, assistir o jogo lá de cima e pular essa parte. O meu sempre de vencer logicamente era grande, mas eu poderia ter me poupado desse confronto com menos de 24 horas de trabalho.

 

Sobre as críticas levantadas por opções em campo e substituições feitas entre os jogos

– Vou ser sincero, eu gostaria de ter mais elogios do que críticas, porque é muito mais fácil você conviver com elogios e às vezes as críticas são com coisas totalmente fora da minha condição de resolução dentro de um campo de jogo. Então eu vejo muito ‘ah não, ele substitui errado’. Mas aqui o elenco que tem é esse, as pessoas têm que entender que o elenco está montado e que as peças que tem para troca para determinados jogadores são essas, eu entendo, o torcedor pode gostar menos de um, mais de outro jogador, eu confio nos caras que estão aqui comigo, essas são as peças à disposição e são as que vão entrar.

 

Sobre o seu DNA ligado ao São Paulo

– Eu gostaria mais que as pessoas ficassem felizes, mas entendo que isso também tem muito a ver e concordo, com os 25 anos de São Paulo, com a rivalidade ao longo do tempo que se criou, apesar de estados diferentes, mas equipes que se confrontam e que são vencedoras, equipes que são vencedoras, têm DNA vencedor, acho que isso atrapalha um pouco, agora, eu estou aqui, eu trabalho muito todos os dias tentando o melhor que eu posso pelo Flamengo, é o que eu posso falar.

 

Sobre o goleiro Hugo Souza

– É um goleiro jovem e que não tem ainda 30 jogos como profissional. Tem potencial, tamanho, envergadura e velocidade muito alta. Mas é uma constatação que nós temos que fazer com que ele evolua com os pés. Acho que cabe muito a parte do treinamento de goleiros específico para fazer com que ele desenvolva. No trabalho tático, sempre converso com ele e tento introduzir algo de posicionamento e antecipação. Tudo isso a gente vai tentar fazer com que ele evolua e corrija junto com os preparadores de goleiro.

 

Sobre Pedro e Gabriel Barbosa

– Tem a questão Pedro e Gabriel também que é uma questão que é sempre abordada, ‘ah o Rogério diz que é impossível de eles jogarem juntos’. Não tem nada de impossível jogarem juntos, desde que todos marquem, agora, você tem que lembrar que para colocar Pedro e Gabriel, nós temos Bruno Henrique, Arrascaeta, Everton Ribeiro, Gerson e Diego, não vou nem colocar Diego e Gerson juntos, porque, na minha opinião, aí ficam muito desguarnecido o meio-campo, aí eu não tenho mais condição de fazer o mínimo defensivo. Tenho que tirar um dos outros três e é difícil porque são todos bons jogadores. Eles nas suas determinadas funções rendem mais do que esses jogadores cumprindo uma função que seria deles. O que é bom no Flamengo é que você tem dois ‘noves’ de muita qualidade, cada um com característica diferente, que podem jogar sempre que possível ou necessário, por exemplo, como foi no jogo contra o Internacional, um jogador expulso, já tínhamos treinado aquela situação. Agora, eu não consigo às vezes, sei que falar é muito fácil, na prática nem sempre é tão simples…

 

Sobre Willian Arão e Diego Ribas

– Um grande acerto foi primeiro ter aceitado o convite de vir trabalhar no Flamengo, esse foi o principal de todos, porque é um clube que eu imaginei um dia poder chegar a trabalhar. Dentro do campo eu acho que foi no momento onde a gente fez a maior mudança, mais drástica, que foi recuar o Arão para a zaga, tentando ter uma saída de jogo melhor, que é o que o Flamengo se propõe. O estilo de jogo proposto pelo Flamengo, encaixando o Diego de primeiro volante, dando muita qualidade, muita posse de bola, mais do que a gente já tinha normalmente, fazendo com que o time criasse muito mais, tivesse mais oportunidades de gol, então talvez essa tenha sido taticamente o ponto principal, o ponto alto do nosso trabalho essa mudança, fazendo com que o Filipe Luís construísse muito mais do que chegasse ao fundo, o que já é uma característica boa do Filipe, explorando o Isla na sua valência maior, que é justamente essa chegada à linha de fundo.

 

Sobre Jorge Jesus e o ano de 2019

– 2019 foi um ano fantástico, porém contra o Emelec, nas oitavas-de-final, o Flamengo foi aos pênaltis igualmente contra o Racing, em 2020. Houve o fator sorte neste ano, como por exemplo, vitórias contra Fortaleza, Ceará, Vasco e outros foram nos últimos minutos, o fator Gabriel Barbosa que fez 07 gols de 07 oportunidades dadas a ele. Ausências de Rafinha, Pablo Marí, contusão de Diego Ribas e público no Maracanã, ajudaram bastante o trabalho de Jorge Jesus e do próprio Flamengo que, em 2019, fez tudo certo e deu tudo certo também.

 

Sobre Michael

– É um jogador que precisa de espaço, com um jogo de estilo exclusivo, que gosta de treinar e criar oportunidades de jogadas durante as partidas, sempre dedicado e esperto nas vezes em que entrou em campo, soube também que foi um pedido de Jorge Jesus para furar os bloqueios de times reativos em jogos mais difíceis pelo segundo tempo. Vamos tentar criar situações parecidas com aquilo que era feito no Goiás, mesmo que o jeito de jogar do Flamengo seja completamente diferente, no que condiz a espaço criado e setores menores dentro de campo.

 

Sobre Leo Pereira

– Excelente zagueiro, desde os tempos do Athletico Paranaense, zagueiro em que gosto muito, enfrentei-o bastante no Fortaleza e sempre me encantou. Zagueiro canhoto e de bom passe, o que é difícil nos tempos atuais, sempre preciso, jogador em que acredito muito neste ano e vamos aproveitá-lo bastante na temporada. Todos enfrentam dificuldades e vamos tentar ajudá-lo com mais oportunidades, em números excessivos de jogos, sendo regular nos campeonatos. Zagueiro importante para o elenco e para os jogos que virão para este ano.

 

Sobre os jovens da base

– Assisti e reassisti ao jogo contra o Palmeiras, e de fato, o Palmeiras não vinha num bom momento, porém não se pode negar que o Flamengo jogou muito bem naquele jogo, exclusivamente falando, só Arrascaeta, Gerson, ao que me parece jogaram. Hugo Souza fez uma excelente partida, Otávio, Natan, João Gomes… Só que eles estão num processo de maturação, talvez não estejam preparados para jogarem partidas do elenco principal, porque por mais que tenham sido importantes, e claro que são, não podemos deixar de tirar o mérito dos jogadores contratados que fizeram história no Clube. Eles, os titulares, ainda fazem a diferença. Oportunidades, os jovens terão, mas com calma e responsabilidade, sem desprezar o elenco que aqui já está presente.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

O Hashtag Rubro-Negro usa Cookies para aperfeiçoar a experiência dos leitores. Aceita continuar? Aceito Leia Mais